Pokémon: dos games aos livros

A febre mundial Pokémon Go já é capa de algumas publicações no Brasil. Vamos falar um pouco da franquia, e conhecer também o guia não-oficial do game, lançado pelo selo #Irado, da Editora Novo Conceito.

Por Alexandre Melo, de Recife

Sim este é um site literário, e não deixará de ser. Mas Pokémon Go - o game para celular febre do momento - é um fenômeno que não deve ser ignorado. Muitos se surpreendem como eu - leitor assíduo, pós-graduado e editor desse site - possa ser entusiasta desse tipo de aplicativo. Mas sim, eu  como bom nerd, jogo Pokémon Go. (não sei até quando) e acho a ideia formidável.

A franquia Pokémon, de propriedade da Nintendo, aproveitou do sentimento de nostalgia de quem tem 25 ou 30 anos, (nostalgia que adoramos, e que tem ajudado muitas empresas a ganhar dinheiro ultimamente) e da juventude recente - que aprendeu a gostar dos monstrinhos há pouco tempo -   para se lançar ao mundo dos games mobile com o diferencial da realidade aumentada, onde simula-se a presença dos monstros de bolso em nossa volta, ou seja, por meio da câmera do celular em um mapa real, encontramos os bichinhos e temos a missão de os capturar e treinar.  A responsável pelo jogo é Niantic.


Claro, o aplicativo tem seu lado negativo, ainda mais no Brasil, um país inseguro em sua maioria, para se andar expondo Smartphone desatento nas ruas, mas os pontos positivos também devem ser lembrados. Diferente de outras redes sociais que mais afastam os indivíduos do contato pessoal presencial, o jogo proporciona maior interação entre pessoas fora da virtualidade, visto ser necessário sair de casa para jogar. Novas amizades surgem, amigos e amigas se reúnem, conversam, e trocam experiências. Conheço gente que sofria de depressão, e negava-se a sair, e que por conta do jogo, fez novos amigos e agora sai de casa com eles para caçar os monstros virtuais. Também há casos de professores aproveitando do interesse dos alunos na franquia, para utilizar o tema como artifício facilitador em suas aulas de física ou matemática. Isso é formidável!


Recentemente vi alguns veículos de informação ligados a literatura em campanhas do tipo "Aqui não tem Pokémon Go, apenas livros" ou "Aqui é BookGo" . Entristeceu-me estes pensamentos pequenos e maniqueístas, como se quem lê ou considera-se "intelectual" não possa fazer outras coisas de sua vida, como se os editores destes respectivos meios não fossem "viciados" em, sei lá, Facebook, Whatsapp, etc. O ser humano também precisa de diversão, e exitem muitas formas de se conseguir isso. Mas não vamos entrar nessa discussão aqui.

Pokémon Go - De Treinador a Mestre

O fato é que o game virou febre, o como era de se esperar, também ganhou o mundo dos livros. Já são diversos títulos nas livrarias. Decidimos então observar melhor um deles, e vamos apresentar o guia não-oficial Pokémon Go - De Treinador a Mestre, assinado por Emanuel Hallef que recebemos da Editora Novo Conceito, pelo selo #Irado.


O livro é curtinho, com menos de 150 páginas,  e conta com uma breve introdução, algumas advertências aos perigos de ser um reinador desatento, precauções a serem tomadas, e algumas informações básicas para o treinador iniciante jogar com toda segurança e consciência. Além de contar com tabelas de evolução, dicas para subir de nível mais rápido, e listas de Pokémon mais fortes de acordo com o CP máximo de cada personagem. 


A obra é bem bonita, recomendada principalmente para aqueles que estão iniciando na jornada. Senti falta de um histórico detalhado da franquia, uma pesquisa maior poderia ter ajudado ao autor a deixar o livro mais completo. Outro ponto negativo é que o game está em constate atualização, e algumas das informações no futuro próximo estarão desatualizadas. Nada disso no entanto tira o brilho atual da obra, já que ter à mão um guia detalhado para ser consultado a qualquer hora, pode ser bastante proveitoso.


Há também dicas sobre desempenho dos modelos de aparelhos em relação ao jogo, e truques para batalhar com os Pokémon certos, mediante a categoria que ele está inserido (água, fogo, grama, psíquico, etc) Nada como já começar o jogo por dentro de cada movimento e de seu poder de dano ao oponente em batalhas. Uma mão na roda!


Pokémon Go tem potencial, mas como toda febre, já vem perdendo usuários em todo mundo. Resta agora esperar para saber do futuro da franquia nos celulares. Atualizações necessárias para dar mais tempo de vida ao sucesso já estão sendo programadas. Vamos observar os acontecimentos. E você, também gosta de caçar os monstrinhos nas horas vagas? Deixa aí o seu comentário. Abraços!

Recebemos essa cortesia em troca de uma opinião sincera, de nossa parceira editora: 


Tecnologia do Blogger.