O Quarto Dia: suspense no misterioso cruzeiro imaginado por Sarah Lotz

Por Alexandre Melo, do Recife.
O Quarto Dia (Editora Arqueiro, 2016 352 pgs) conta a história (ou as histórias) de diversos passageiros do cruzeiro O Belo Sonhador, em uma viagem festiva de réveillon,  bem ao estilo "Cruzeiro com Roberto Carlos" onde mais de 2 mil pessoas estavam a bordo, entre elas uma vidente famosa, que faria apresentações especias aos convidados. Tudo corria bem, até que um incêndio nas máquinas faz com que o navio passe dias à deriva sem energia. Após fracassadas tentativas de contato com o continente, começa o burburinho, e o clima vai ficando cada vez mais tenso. Inicia-se assim o suspense que Sarah Lotz tentou apresentar: eventos estranhos acontecem a bordo, entre eles um assassinato, aparições de vultos que atormentam alguns passageiros, e a comida que vai acabando... algo sobrenatural parece advir...


A escrita de Lotz é fluida, o livro é dividido em capítulos curtos, com títulos sugestivos que se repetem alternadamente, como "A Assistente da Bruxa", As Irmãs Suicidas", O Guardião de Segredos", etc. em cada um deles, acompanhamos o ponto de vista de algum personagem e os acontecimentos no navio. Premissa positiva, boa sinopse, uma bela arte de capa, mas a história...

Quando decidi ler O Quarto Dia, achei que se trataria de um terror, ou ao menos de grande suspense, e de fato, em momentos a leitura é interessante, encontramos alguns personagens que merecem destaque, tal como a médium celebridade Celine Del Rey, que é a mais controversa e misteriosa figura nesse cruzeiro, junto com sua assistente Maddie, que é uma espécie de protagonista da história; também temos o blogueiro polêmico Xavier que tenta a todo custo desmascarar a Celine, que ele chama de "falsa vidente"; e as duas senhoras suicidas Helen e Elise, que são chamadas de "irmãs", mas que só tem em comum duas coisas: o fato de serem viúvas, e o desejo de cometerem suicido a bordo. Este grupo foi para mim o melhor desenvolvido pela autora. Encontramos porém outros personagens, como o estuprador Gary e sua vítima Kelly, a camareira Althea e a médico Jesse, que ao meu ver tiveram participações enfadonhas na trama.



O material gráfico do livro é muito bom, os tons azuis escuro de sua capa e a imagem do cruzeiro ajudam a imaginação, destaque para a lateral das páginas que também são de tom azul, um capricho extra que a Editora Arqueiro preparou para os leitores. Parabéns!



Como dito, Sarah Lotz tem boa narrativa, realmente consegui me visualizar dentro daquele navio, mesmo nunca tendo entrado em um de verdade, contudo O Quarto Dia não conseguiu me arrepiar, não me deu medo, e em muitos momentos fui movido apenas pela curiosidade para passar as páginas, principalmente porque Lotz sempre deixava pontas abertas no final de cada capítulo. Infelizmente não foi uma leitura que me empolgou, principalmente do meio para o final da trama. Contudo, acompanhamos a repercussão da obra nas redes, e percebemos que o livro de Sarah Lotz agradou sim a muitos leitores. Desta forma, se você curte livros de suspense, com final aberto a interpretações, ou ainda se você gostou do primeiro livro da autora, "Os Três", possivelmente você adorará "O Quarto Dia". Bem, é questão de gosto. 

Este exemplar nos foi gentilmente oferecido, em troca de uma opinião sincera, por nossa parceira Editora 




Tecnologia do Blogger.