Mila Gray e a força do amor em Volta Pra Mim.

Mila Gray apresenta uma história envolvente que vai te fazer chorar e sorrir em um misto de emoções surpreendente em Volta Pra Mim, publicado pela Editora Arqueiro. 

Por Jaci Pandora, do Recife.

Alguns livros são fáceis de resenhar. Você conclui a leitura e pronto, mil ideias surgem em sua cabeça. Outros são mais difíceis, você termina e fica se perguntando: “O que eu vou escrever?”. “Volta para mim” foi um legitimo representante do tipo difícil. Talvez isso ocorreu por esse livro não ter apenas romance em sua receita e por eu ainda estar me recuperando do drama, pois sim, terminei a leitura em prantos. 

Aliás, o livro já inicia com a Jessa, personagem principal da história, prestes a receber uma noticia bombástica, um carro oficial das forças armadas está a sua porta e de duas uma: ou seu irmão morreu ou seu namorado, amor de sua vida se foi para sempre. Então não há desonestidade por parte da autora, você já começa o livro sabendo que não é só romance, mas ai a malvada da Mila Gray volta vários meses no tempo e nos conta dos detalhes da vida da Jessa, que é filha de um general das forças armadas americanas. Ela vive sobre constante tensão, pois apesar de seu pai não ser um homem cruel, as vezes é bem babaca e tanto ela como a mãe vivem sobre um regime tirânico, sem muita liberdade especialmente dentro de casa. 



Para completar esse contexto feio, o irmão mais velho da Jessa, o Riley se alista tal como seu pai e passa apenas um mês por ano em casa e ela ainda é apaixonada pelo melhor amigo do seu irmão, Kit, o qual é ODIADO em caps lock por seu pai. No entanto, no dia de seu aniversário de 18 anos a vida parece dar um presente a Jessa e tudo muda, de repente Kit nota ela e os dois começam a viver sua história de amor. 

Toda a história é contada em primeira pessoa oscilando capitulo a capitulo entre a visão da Jessa e a versão do Kit, então nós temos uma visão completa do relacionamento dos dois e um pouco mais. Pelos olhos deles nos aprofundamos também a vida familiar caótica da Jessa e no relacionamento que o irmão dela, Riley, tem com a querida Jo. 



A Mila Gray tem uma escrita muito clara e gostosa de ler, li o romance em dois dias e me vi envolvida com os protagonistas e suas vidas domésticas muito marcadas pelo trabalho nas Forças Armadas e as mágoas e feridas geradas por esse gênero de trabalho. Como digo aos meus alunos, só quem lucra com a guerra são as pessoas que vendem as armas, os que lutam sempre saem meio destroçados, mortos ou completamente desnorteados de conflitos armados. 

E a Jessa é uma dessas pessoas, apesar de não ter ido a guerra ela chega a ela através de um pai traumatizado e da perda de um ente querido. Tanto o irmão quanto o namorado são figuras centrais na sua vida. Qualquer uma dessas perdas é brutal, não tem como não sofrer junto e torcer para que os sobreviventes consigam juntar os caquinhos e da continuidade a vida. 



Em minha opinião “Volta para mim” pode ser dividido em duas partes, a primeira: “a vida antes da perda”; e a segunda: “a vida depois da perda”. Na primeira a gente se pega sorrindo e na segunda chorando. Hahaha... Apesar disso, ou talvez por isso, é um livro bom, bem escrito, envolvente e de simples leitura e apesar das lágrimas, tem um final, senão feliz, esperançoso, afinal as pessoas podem sobrevivem e dar continuidade a vida depois da perda. Aliás, se tem uma lição possível de ser encontrada nos dramas é essa: é possível recolher os cacos e seguir em frente, a vida continua... 




 Este livro foi cedido gentilmente pela nossa parceira, editora:



Tecnologia do Blogger.