Zoo: o apocalipse animalesco de James Patterson

Já pensou o que aconteceria se os animais um dia decidissem se revoltar contra as pessoas, que por tanto tempo os dominaram, e usassem sua força para dizimar os humanos? Eis a premissa de Patterson em Zoo.

Por Alexandre Melo, do Recife.


Zoo foi o primeiro livro do James Patterson que li na vida. Patterson é um consagrado autor de best-sellers e  romances policiais, mas desta vez enveredou em um enredo apocalíptico, que é ao mesmo tempo ficção, suspense, romance e comédia. Michael Ledwidge é coautor da obra, que tornou-se série pela CBS, e já tem uma temporada completa pronta, e uma segunda já confirmada no momento desse texto. Mas vamos falar do livro, publicado pela Editora Arqueiro.

Recebemos o livro da editora, e de cara nos surpreendemos com uma belíssima arte de capa, que pode ser conferidas nas fotos que ilustram esse artigo.



Zoo conta a história de Jackson Oz, um biólogo sem doutorado, que tem um blog na internet onde divulga suas teorias excêntricas. Após alguns ataques de leões a pessoas no zoológico de Los Angeles, e outros acontecimentos pontuais, onde os mamíferos machos começam a agir de forma inesperada e violenta contra humanos, Oz acredita estar acontecendo um fenômeno que ele chama de CAH - Conflito entre animais e humanos. Desta feita, parte em busca de confirmações no continente Africano, e é lá onde sua aventura começa pra valer. Neste ínterim, vamos observando ataques massivos de animais em cidades, como se arquitetados e orquestrados pelos bichos, que criaram um ódio voraz pelo ser humano. Oz conhece no caminho Chloe, uma ecologista francesa que o acompanhará nessa jornada perigosa onde terá que desafiar o governo e convencer a população da eminente catástrofe que se sucede.




Zoo tem seus pontos altos, principalmente nos momentos de ação, (alguns bem sanguinários), tem suas partes de comédia interessantes, principalmente envolvendo o Oz, tem também boas doses de ficção,  no que se refere aos estudos do CAH, e um enredo que teria tudo para dar certo, contudo, nas  suas quase 300 páginas, Patterson conseguiu me deixar cansado. 
Senti que o romance do protagonista com Chloe foi deveras superficial, não deu tempo de se apegar à personagem, talvez a única figura carismática do livro é o próprio Oz. Posso dizer também que não gostei das mini-histórias que saem do eixo central dos protagonistas, e narram alguns casos de ataques de animais pelo mundo. Em suma, ao concluir a leitura de Zoo, digo que o livro tem uma boa premissa, mas a execução foi um tanto rasa, e o final da história definitivamente não me agradou.
A série será exibida na Netflix no Brasil, e vou conferir assim que puder.



Recomendo o livro para quem: Gosta de histórias apocalípticas, e narrativas policiais.
Não recomendo o livro para quem: não curte histórias fatiadas, ou que se desenvolvem sua trama em muitos ambientes diferentes.




Esse livro foi gentilmente cedido pela Editora





Tecnologia do Blogger.