Formas de Voltar para Casa: A nostalgia assinada por Alejandro Zambra


O que falar sobre Formas de Voltar Para Casa, de Alejandro Zambra? Simplesmente fantástico! É o seu terceiro romance, e com essa leitura, completo a sua "trilogia" publicada pela Cosac. Com uma narrativa caracterizada por idas e vindas, Zambra nos insere em plena ditadura chilena, onde conheceremos um garoto, que em sua inocência vê sua cidade sofrer um terremoto. Algumas circunstancias o faz conhecer Raul, homem misterioso, seu vizinho, outras circunstancias o faz conhecer a menina Claudia, por quem nutre uma admiração e acaba tornando-se amigo. Esse garoto, agora já homem de 30 e poucos anos, professor e escritor (mais uma vez) vai recordando sua infância, seus pais, os adultos que o rodeavam, a vida universitária, e suas aventuras amorosas. Zambra foge à linearidade em sua história, passando pela infância, juventude e idade adulta de forma aleatória, sendo os fatos conduzidos de acordo com os flashs de lembrança do narrador, que é também o principal personagem.
Esse narrador conta sobre suas experiencias familiares,  especula situações, tenta desvendar segredos, e por vezes, refazer o que já não volta mais. Devaneia sobre os sentimentos de sua ex-esposa, sobre sua amiga de infância, sobre medos, inquietações, inseguranças, e, tal como em seus romances anteriores, Zambra brinca com as palavras, sempre levando o enredo a alguma forma de o fazer voltar para casa.


O livro é editado pela Cosac Naify, editora que admiro, e conta com uma identidade visual minimalista - já característica da editora - e muito semelhante à de seus romances anteriores (Bonsai e A Vida Privada das Árvores.) Em tons de laranja, e com um mosaico muito bonito no verso da capa, o livro é o mais denso, com maior numero de páginas que os anteriores, mesmo sendo de qualquer forma um livro rápido, e na minha concepção, o melhor dos três.
Confesso que mesmo considerando ser ele o melhor, senti que o final ficou muito aberto. Mas, recordando-me dos outros livro do Zambra, percebi que essa é uma característica do chileno: finais abertos, sugestivos à ideias de quem lê. O que acontece depois? seja criativo.



Identifiquei-me bastante com esse livro. Uma história madura, altamente indicada a quem está chegando aos seus 30 e poucos anos (ou a quem já chegou). Te faz refletir sobre sua própria vida, sobre experiencias que julgávamos tão próximas, mas que só agora percebemos  que elas se foram faz muito tempo.... restam (ainda) as memórias. Resgatamos nessa viagem, pessoas que estiveram presentes em algum (ou alguns) momentos de nossa vida, mas que hoje não temos mais notícias, algumas que até não reconhecemos mais. Lembramos de oportunidades perdidas, de sentimentos ainda presentes... É um livro nostálgico, que mesmo contando uma história que talvez em nada se pareça com a sua, te faz resgatar sua própria história.
"E você, aparece no livro?  Sim. Mais ou menos. Mas o livro é meu. Não poderia deixar de aparecer. Ainda que me atribuisse outros traços e uma vida muito distinta da minha, do mesmo jeito eu estaria no livro. Já tomei a decisão de não me proteger."

Pode ter certeza, que após ler esse livro, tua mente tentará encontrar alguma forma de te fazer voltar para casa. Com esse sentimento todo, Alejandro Zambra entrou no meu hall de autores contemporâneos favoritos. #recomendo.


Abraço!


Alexandre Melo
@_alexandremelo

Tecnologia do Blogger.